sexta-feira, 30 de março de 2012

A quase 90 anos, nascia nos EUA, a Igreja do Evangellho Quadrangular

Há quase 90 anos, nos EUA, uma mulher, movida pelo Espírito Santo, teve uma grande revelação baseada na visão do profeta Ezequiel (Ez 1:1-28). Sua interpretação nos fez conhecer o ministério quádruplo de Cristo, a saber: Jesus, o salvador, o Balizador com o Espírito Santo, o médico dos médicos e o Rei que há de vir. “É um perfeito evangelho.

Um evangelho completo para o corpo, alma, espírito e eternidade. EVANGELHO QUADRANGULAR!” Assim, em 1922, Aimee semple mcpherson fundou a international Church of the Foursgeles – Califórnia.

Sua pregação enérgica e desafiadora instigava os ouvintes em todas as partes do mundo a testemunharem a mensagem de salvação por ela anunciada.

O jovem Harold Edwim Williams, ex-figurante de filmes de faroeste e filho na fé Fe Aimee, através da poderosa palavra da missionária, foi tocado a trazer esse evangelho aos povos latinos. Assim, em 1945, com sua esposa Mary, deixou Los Angeles rumo a América do Sul. Ao chegarem à Bolívia, o desejo missionário foi renovado por meio da amizade com o peruano Jesus Hermínio Vasquez, que já havia estado no Brasil em trabalhos evangelísticos com outras denominações. Em 1946, as duas famílias adentraram as terras brasileiras, atravessando a fronteira numa canoa. Cortando o norte do país, partiram para o Rio de Janeiro, seguindo para o litoral paulista. Pouco mais de um mês, em Santos – SP embarcaram num vapor rumo a Minas Gerais para, finalmente, fixarem residência em Poços de Caldas. Começaram a lecionar aulas de inglês para aprenderem a língua e os costumes do povo, caracterizado pela forte tradição católica.

Em 1949, mudaram se para São João da Boa Vista, interior paulista. Vasquez ficou na obra mineira. Harold alugou o salão de uma antiga leiteria para iniciar as atividades. Com o apoio de outros líderes, como o pastor presbiteriano Syr de Oliveira Evangelista Martins, a IEQ foi oficializada durante a assembléia de fundação em 15 de novembro de 1951, com o nome de Igreja Evangélica do Brasil. No mesmo ano, foi adquirido o terreno para o templo, que começou a ser construído em 1953 e inaugurado em 1955. Nesse período a igreja enfrentou dificuldades com a legislação brasileira que durante o governo Vargas, proibia as organizações civis de terem presidentes estrangeiros. Por este motivo, em 1951 a 1957, Rev. Harold Williams atuou como secretario executivo e o Rev. Syr Evangelista Martins, brasileiro, como presidente. Os mandatos eram de dois anos.

As coisas não prosperaram muito para os Williams. A dificuldade co o idioma comprometia a eficácia da pregação, resultando na baixa freqüência nos cultos. Desanimado, Harold buscou a direção de Deus, que lhe respondeu trazendo ao Brasil o evangelista Raymond Levi Boatright, seu colega de classe no Life Bible College, para realizar uma serie de campanhas de cura divina em 1952. Era o inicio do reavivamento.

O primeiro encontro foi realizado na sala de estar, mas os demais tiveram de ser em frente a residência dos missionários. Harold dirigia o louvor e era interprete do pregador, que chamava a atenção pela sua estatura, uma guitarra elétrica e um grande chapéu cowboy que usava, o que ajudou a atrair o publico. Passaram, então, ao salão da antiga leiteria, que lotou na primeira noite. Em um mês, os cultos tiveram que ser na rua.

No ano seguinte, Harold recebeu o líder da organização youth Christ (Juventude para Cristo) do Brasil, Don Phillips. Sua esposa estava com câncer e, ouvindo falar das reuniões, foram à procura dos missionários. A cura da jovem senhora proporcionou um crescimento acelerado ao ministério. Isso resultou num convite para que Harold Williams visitasse o trabalho na igreja do Cambuci, Capital paulista. Assim, a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil abriu as portas para a pregação de cura divina. O trânsito parou, os jornais deram destaque ao evento e membros de várias igrejas pediram permanecessem mais na cidade. O movimento se espalhou através de tendas de lona armadas em terrenos baldios, o que acabou se tornando a marca registrada da Quadrangular. Era a Cruzada Unida de Evangelização, que atraia pessoas de vários estados; centenas se converteram e foram curadas.

No inicio de 1954, montaram a tenda no Cambuci, da onde foi levada para o bairro Água Branca (onde estão as atuais instalações do Shopping West Plaza). Assim, a Igreja Evangélica do Brasil fundou seu departamento de evangelismo chamado Cruzada Nacional de Evangelização, sediada a Rua Brigadeiro Galvão, bairro Barra Funda. Ainda em 1954, aconteceu a 1ª Convenção Nacional, sob o tema “Convenção da Cura Divina”, com 48 participantes, sem cunho administrativo, somente espiritual. No final do ano, a sede nacional foi transferida de São João da Boa Vista para a capital. Iniciaram-se, então as campanhas no interior paulista com as “capelas ambulantes” (tendas), que deveriam ficar cerca de três meses em cada cidade.

A partir de 1957, a lei que proibia estrangeiros de presidir corporações expirou. Isso possibilitou ao Rev. Williams assumir a presidência em 1958, com indicação da Igreja Internacional e aprovação da convenção brasileira. Rev. Geraldino dos Santos assumiu como Secretario Executivo. Foi também em 1958 que o estatuto sofreu sua primeira grande alteração. A Igreja passou a ser chamada de Igreja do Evangelho Quadrangular, uma tradução literal da sede mundial.

Entre 1961 e 1962, a IEQ enfrentou certa resistência de líderes conservadores ao movimento pentecostal. Uma divisão liderada pelo Rev. Geraldino dos Santos encaminhou uma reclamação aos EUA. Devido a idéias de vanguarda, caráter inovador e espiritual espontâneo, Williams foi acusado de estar pregando uma falsa doutrina. No ano seguinte convocado para dar esclarecimentos numa reunião com a Diretoria Internacional de Missões, preferiu pedir demissão, após se sentir humilhado pelos colegas de ministério, achando que argumento algum mudaria a situação. Rev. Joaquim Pedro dos Santos assumiu a presidência interinamente por 2 meses. Após estada na Convenção Nacional brasileira, em 2000, o pioneiro Harold Edwims faleceu em 2002, aos 89, em Redondo Beach – Califórnia.

Dr. Robert McPherson, presidente Internacional, convidou George Russell Faulkner para ser o novo missionário designado ao Brasil. No mesmo ano de 1962, o casal George e Jane Faulkner, com sua família, desembarcou na cidade de São Paulo. Em Conversão Extraordinária do ministério brasileiro, George Faulkner foi aceito e empossado como o novo presidente. Rev. Geraldino dos Santos permaneceu como Secretario Executivo ate se demitir, ao ser eleito vereador de São Paulo, transferindo-se para a Igreja Evangélica o Brasil para Cristo. O então Secretario Administrativo do Conselho Nacional, Rev. Euclides Raimundo Tavares, assumiu o cargo após ter sido eleito.

Em seu primeiro ano, o Rev. Faulkner realizou 140 viagens por todo Brasil, a fim de conhecer o território e visitar as obras já existentes. Em meados de 1964, já se podia sentir as melhorias decorrentes de uma liderança seria e comprometida. A igreja estava crescendo, porém não na velocidade esperada pelo presidente, ao ver que as 163 filiais não atendia às necessidades de uma nação tão grande. Concluiu, então, a maneira mais viável de alcançar o interior seria implantando uma Quadrangular em cada capital. Os jovens que se destacavam nas igrejas locais começaram a liderar as primeiras frentes de trabalho. Foi nesta época que o jovem Mario de Oliveira, entre outros, se dispôs a dedicar sua juventude à segunda etapa da Cruzada Nacional de Evangelização, a qual voltou a crescer. Em 1966, foi lançada a pedra fundamental do templo sede nacional na praça Olavo Bilac, em São Paulo, sendo inaugurada em 1968.

Na década de 70, Rev. Faulkner traçou os rumos da IEQ no Brasil, firmando sua missão e visão, estabelecendo seu estatuto e regimento interno, fundamentando seu Instituto Bíblico, levantando líderes e congregações em todo o País. Em uma década a Igreja já estava representada em todos os estados e federação. Em 1976, Rev. Jayme Paliarin foi eleito Secretario Executivo. O escritório do CND funcionava numa sala na entrada da Igreja sede. Em 1979, foi adquirida a propriedade da av. General Olímpio da Silveira para sediar as instalações administrativas do Conselho Nacional, inauguradas em 1982. O investimento para a compra foi dividido entre as igrejas americanas e brasileiras. No fim dos anos 70 e início da década de 80, a IEQ começou a marcar presença na mídia, através de programas no rádio como “A Cadeia de prece”, transmitido pela Rádio Mulher em São Paulo. Em Minas Gerais, estreou o programa de mesmo nome na Rádio Itatiaia, apresentado pelo pastor Mario de Oliveira. Hoje o “Cadeia da prece” e transmitido pela 107,5 – BH, diariamente, às 18h. Em televisão, o Pr. Mario passou a apresentar o “Visita ao Seu Lar” nas manhãs de segunda a sábado.

Em 1983, o estatuto foi alterado novamente. O CND seria entregado por sete membros, cujo mandato passaria de dois a quatro anos. O Secretario Executivo deixou de fazer parte do Conselho pelo fato de trabalhar administrativamente em tempo integral. Em 1987, a Convenção Nacional aprovou a reforma estatutária com o objetivo de que o presidente também pudesse ser escolhido pelo ministério brasileiro através do voto em eleições diretas, e não mais por indicação da Igreja americana. Em 1988, na 36ª Convenção Nacional, foi eleito o novo presidente, Rev. Eduardo Zdrojewisky, juntamente, o novo Secretario Executivo, Rev. Josué Bengtson. Ainda em 1988, a proposta de criação de uma editora ligada à Igreja do Evangelho Quadrangular foi aprovada pelo Conselho Nacional, iniciando suas atividades em 1991. Nasceu de uma oferta enviada por irmãos americanos para a publicação do livro “Fundamentos da Teologia Pentecostal”. Esta oferta tirou do papel e trouxe à realidade a Editora e Publicadora Quadrangular Rev. Dr. George Russell Faulkner. Além desse titulo, as primeiras publicações foram “Evangelho Quadrangular” e “História de uma vida”. O nome foi uma justa homenagem ao homem que presidiu a IEQ por 26 anos, retornando aos EUA após empossar presidente eleito. Num culto de despedida na Igreja sede, ele deixou a obra no Brasil e partiu para Los Angeles, vindo a falecer em 1997.

Na Convenção Nacional de 1992, o Rev. Zdrojewisky foi reeleito; Rev. Paliarin assumiu a Secretaria Executiva em 1993, o Conselho Nacional nomeou o Rev. Ernesto Taconi para cumprir o mandato do executivo.

Em 1996, na 45ª Convenção Nacional, foi eleito, como Presidente Nacional, Rev. Mario de Oliveira. Ao assumir, o novo Presidente encontrou um cenário em que a Igreja era dividida administrativamente em supervisões, conforme as regiões geográficas do país: Supervisão Norte, Rev. Josué Bengtson; Supervisão Norte II, Rev. Manoel Geny Martins Pereira; Supervisão Nordeste, Rev. Onésimo Rodrigues de barros; Supervisão Rio de Janeiro, Rev. Joel Suhett; Supervisão São Paulo, Rev. Daniel Marins Alessi e Supervisão Sul, Rev. Narcizo Luiz Parissotto. Com isso, notou-se que o CND não dispunha de condições para atender todo ministério de maneira eficaz e satisfatória. Iniciou-se então, um período de grandes mudanças.

Foi assumido o compromisso de adaptar a IEQ à realidade natural de seu crescimento. Pensou-se em implantar uma organização administrativa e eclesiástica muito bem ajustada, que garantisse a coesão doutrinaria agilidade e transparência em uma instituição dessa proporção. Assim, em 1999, foi proposta uma nova reforma estatutária conhecida como “Estatuto do Novo Milênio”, que mudaria a estrutura organizacional da Igreja.

Tais mudanças incluíam:

*A descentralização administrativa, com a criação dos Conselhos Estaduais (CEDs) para estados com mais de 50 Igrejas e Supervisões Estaduais para estados com menos de 50 Igrejas;

*A ampliação do número de superintendências e campos missionários;

* A implantação das Secretarias Gerais como módulos auxiliares na execução das funções administrativas do CND;

* A substituição dos Secretários Executivos pela Secretaria Geral de administração e finanças (SGAF).

No início de 2000, assumiu primeiro Secretario Geral de Administração e finanças, o Rev. Onésimo Rodrigues de Barros. Rev. Ernesto Taconi, 1º Vice-Presidente, assumiu interinamente para que o presidente pudesse concorrer a novas eleições. Com a reeleição na 49ª Convenção Nacional, Rev. Mario de Oliveira implantou a Secretaria Geral de Comunicações, que deu inicio a preparação das comemorações do cinqüentenário da Igreja no ano seguinte. Em 15 de novembro, foi realizado o culto de abertura de celebração dos 50 anos da IEQ no Brasil no primeiro templo fundado, em são João da Boa Vista- SP, com a presença de autoridades políticas e eclesiásticas.

Em 2001, começava a mobilização para as chamadas prévias estaduais que escolheriam, através do voto dos membros convencionais natos, os representantes da Igreja nas Assembléias Legislativas e na Câmara dos Deputados. A 50ª Convenção Nacional festejou o jubileu de Ouro Quadrangular, seguida de varias festividades regionais. A sessão solene da Câmara dos Deputados em Brasília-DF e a grande concentração nacional no dia 15 de novembro, mobilizando todos os estados para o encerramento do ano do jubileu marcaram presença na mídia. Nesse mesmo ano, foi adquirido o terreno e idealizado o projeto de construção de um templo Quadrangular em Brasília-DF.

O segundo mandato da administração Mario de Oliveira foi marcado pela preocupação e grandes esforços para a adequação aos moldes contábeis exigidos pela Receita Federal. Pensando nisso, propôs a instalação de uma comissão para estudar outra reforma do Estatuto e Regimento interno. O novo modelo de administração e procedimentos contábeis foi implantado em todo Brasil através de simpósios em várias capitais. Reuniões de Trabalho com presidentes e supervisores estaduais, superintendentes e diretores de campos missionários passaram a ser realizadas periodicamente, para acompanhar e esclarecer duvidas sobre o novo processo.

Em 2002, Rev. Rogério de Oliveira Amorim, 1º Vice-Presidente do CND, assumiu, interinamente, em dois momentos a presidência. A IEQ teve grande representatividade no cenário nacional nas eleições seculares desse ano; 4 deputados federais e 13 estaduais eleitos, graças ao Projeto Cidadania Quadrangular.

Visando a fortalecer a Igreja em alguns pontos estratégicos, o final do segundo mandato foi dedicado a grandes investimentos. Compra de terrenos, construções e reformas de templos, ajuda a estados menos favorecidos e apoio a CEDs de menor poder financeiro contribuíram para o crescimento e expansão patrimonial da IEQ. Um dos destaques foi a compra da fazenda Taquaril, em Betim-MG, em 2003, que, atualmente, já valorizou mais de quatro vezes o capital investido.

Novas eleições aos cargos do Conselho nacional de Diretores foram realizados em 2004, e o Rev. Mario de Oliveira foi novamente reeleito. Os investimentos nos estados e regiões continuaram, a exemplo de Maranhão, Piauí, Rondônia, Sergipe e Tocantins (compra de terrenos e construção de templos), Rio de Janeiro (aquisição de um centro de convenções) e Rio Grande do Sul (aquisição de imóvel para instalação do CED).

Estreou, em 2005, o “Programa com Jesus”, no canal 24 UHF, São Paulo, com a participação do Secretario Geral de Comunicação, Rev. Celso Nascimento. Nesse mesmo ano, começaram as negociações para a aquisição de um novo local que acomodasse melhor as instalações do CND. O projeto visava a um empreendimento com estrutura capaz de suportar todas as áreas de atuação da instituição, como secretarias, coordenadorias e departamentos. O edifício de sete andares, situado em região central e bem localizada em As que proporcionasse maior comodidade, conforto e modernidade a conselhos, funcionários, pastores e membresia. O complexo administrativo foi inaugurado no segundo semestre de 2008, meses depois da eleição do Rev. Mario de Oliveira pela quarta vez consecutiva. Já nos primeiros instantes do novo mandato, o grande desafio foi o lançamento do “Projeto Crescer”, com a retomada da visão missionária, cujo objetivo era a abertura de 1 Igreja por região / campo missionário ainda naquele ano. Fortalecendo a visão evangelística, foram inauguradas as instalações do estúdio de TV do CND, com a estréia do programa “Brasil Quadrangular”, na CNT, sob a direção da Secretaria Geral de Comunicação. Paralelamente, em Minas Gerais, Rev. Mario de Oliveira passou a apresentar também na TV, o “Quadrangular Uma Igreja em ação”.

Em 2009 foram abertas mais d e400 obras em todo o Brasil. Mas o crescimento quantitativo trouxe uma questão. Após viagem a diversas cidades, o Presidente constatou que a Igreja estava perdendo sua identidade doutrinaria em relação aos seus símbolos, saudação, hino oficial etc. preocupado com o resgate das raízes, Rev. Mario, em sucessivas reuniões com colegas de ministério, de ministério chegou a um formato de evento que trabalharia essa deficiência, reacendendo a verdadeira essência quadrangular. A partir de um modelo piloto realizado com mais de mil lideres em Minas Gerais, foi implantado, em diversos estados ao longo de 2010, o “Seminário de Crescimento Espiritual e Princípios de Vida Cristã”. Com essa mesma visão, foi proposto o projeto “Volta ao Lar”, objetivando arregimentar pessoas que se converteram na IEQ, mas que, por algum motivo se desviaram ou mudaram de denominação.

Ao longo de 15 anos à frente da liderança nacional do maior ministério unido do país, pode-se destacar na administração Mario de Oliveira:

· Mais de 4.500 obras abertas, totalizando cerca de 8,5 mil Igrejas ativas (não considerando as congregações);

· Cerca de R$ 20.000.000 investidos em terrenos, construções, reformas e obras novas;

· Um quarto ministerial de mais de 40 mil membros entre ministros, aspirantes e obreiros credenciados;

· Levantamento patrimonial nacional e censo ministerial para maior controle dos bens e cadastro atualizado dos membros do ministério;

· Adequação contábil e administrativa segundo as exigências legislativas do país, com a obrigatoriedade de contratação de profissionais contábeis, e o desenvolvimento de um sistema único de administração e contabilização;

· Respeitabilidade e credibilidade junto aos órgãos públicos;

· Reforma estatutária e regimentar que propôs um documento completo, moderno e adequado à realidade da corporação;

· Formação de pastores e líderes melhor qualificados através de simpósios e congressos de educação e cultura, além dos pólos de ensino dos: Departamento de Educação Bíblica quadrangular (DEBQ), Missão Quadrangular Cristo Para as Crianças (MQCC), Instituto Teológico Quadrangular (ITQ), EAD (Ensino à Distancia), Curso de Licenciatura e Gestão do DEBQ (CLG) e Faculdade de Teologia Quadrangular (FATEQ);

· Oficialização do 3º Domingo para a Oferta de Missões;

· Apoio e investimento na formação e envio de missionários, todo o mundo, através das bases e Centros de treinamentos Missionários Quadrangular (CTMQ), Seminário Intensivo de Multiplicação de Igrejas (SIMI), IDE Missões e Treinamento para Multiplicar;

· Incentivo a projetos como Projeto Lucas, Projeto MUC – Missões Urbanas com crianças e varias mobilizações e impactos em grandes centros urbanos e interiores. Presença marcante da IEQ em arrecadação de donativos, mão-de-obra e apoio a comunidades vítimas de calamidades causadas por fenômenos naturais;

· Ampliação e profissionalização de todo o esforço de divulgação da IEQ, além da disseminação da padronização e identidade visual da IEQ, através da implantação da Secretaria de Comunicação. O lançamento da Revista Foursquare, do Portal Quadrangular Brasil, da rádio online Brasil Quadrangular, além da efetivação da gravadora Square Records, que tem valorizado o talento quadrangular, são exemplos de um grande avanço tecnológico na área de comunicação da Igreja. A coordenação de toda logística e programação das convenções nacionais pela SGC trouxe mais organização, qualidade e modernidade ao maior evento anual da instituição;

· Criação do Departamento Histórico para preservação do acervo e conservação da memória da Igreja;

· Implantação das coordenadorias Nacionais de: Homens e Mulheres de Negócios (CHOM-NEQ), Ministério para Casais (MINACQ), Musica e Artes (COMMEQ) e Filhos de Pastores (CONFIPIEQ);

· Assistência e apoio aos grupos missionários e departamentos locais, através de investimentos nos esforços das coordenadorias nacionais e incentivos à implantação de novos projetos como Ministério para Casais, com a formação d e líderes e a criação de uma pastoral da família, o G_30, para jovens solteiros acima de 30 anos, reestruturação do limite de idade para os sócios dos GMs, treinamentos e capacitação às lideranças em todos os níveis etc.;

· Projeto político de resgate da cidadania quadrangular e a democratização interna da escolha de representantes da IEQ para disputa de cargos políticos em eleições municipais e estaduais, através do direito a voto dos membros do ministério em prévias.

Atualmente, a Igreja quadrangular está presente em mais de 150 países, representada por grandes templos, institutos de ensino e instituições de assistência social. Só a Igreja brasileira mantém missionários em 14 países.

Em 2011, ao completar seu 60º aniversário no Brasil, a IEQ dá mostras de uma corporação séria e madura, pautada nos mais genuínos princípios bíblicos que norteiam sua tradicional mensagem pregada desde as primeiras décadas do século XX nos EUA. Traduzida a nós, brasileiros, de maneira simples, porém eficaz, não perdeu sua essência e dela surgiu um instituição sólida, estável e segura. Hoje, ultrapassando a marca de 6 milhões de membros, sua liderança nacional entende que há, ainda, muito a crescer e expandir, pois:

“Uma história não se escreve num piscar de olhos, mas ao longo de uma vida”

Rev. Mario de Oliveira.

Escrito por: Pastora Marli de Jesus (Departamento Histórico da IEQ)