sábado, 9 de julho de 2011

Projeto Indígena – Kaxinawá

Breve História do Evangelho entre os Kaxinawá do Peru - Em 1955 chegaram os primeiros missionários entre o povo Kaxinawa no Peru. Em 1968 iniciou o trabalho de tradução da Bíblia e os primeiros Kaxinawá aprenderam a ler e escrever. Em 1980 iniciou o trabalho de evangelização. Em 1981 só havia um cristão entre os Kaxinawá, este por sua vez começou a ler o novo testamento para seus alunos.Através da leitura do NT muitos aceitaram a Jesus e foram discipulados com ensinos básicos pela missionária que vivia entre eles.

Em 1985 primeiras mulheres se batizaram. 1988 Primeiro pastor Kaxinawá se formou no Instituto Bíblico. Em 2000 foi realizada a primeira viagem de evangelização pelos Kaxinawá do Peru ao Brasil, eles visitaram muitas comunidades permanecendo alguns dias em cada comunidade. A viagem foi difícil, mas eles regressaram muito animados e viram grande necessidade de evangelizar. Em 2001 foi realizado a segunda viagem de evangelização ao Brasil.

Hoje no Brasil, Acre – O povo Kaxinawá na comunidade Novo Recreio já tem uma igreja com liderança indígena em funcionamento. O próprio povo já está evangelizando outras comunidades no lado do Brasil. Temos informação que das 12 aldeias quaze todas tem Kaxinawás que aceitaram a Jesus. O maior desafio e necessidade no momento é o discipulado dos cristãos e a formação de líderes. O chamado missionário de levar o evangelho não somente para o seu povo mas também para outros povos como os Colinas é parte integrante da visão e do coração da igreja Kaxinawá.

A situação de discipulado é necessária entre os cristãos e liderança, já que existe casos de líderes Kaxinawá terem duas esposas, o que é cultural entre eles. O interessante entre os Kaxinawá é a música. Música tem sido uma forma de alcançar o povo com o evangelho. Muitos foram a igreja para aprenderem novas canções. Na comunidade Novo Recreio, existe um conjunto de música com vários instrumentos. O objetivo de ter missionários da SGM na comunidade Novo Recreio é para aprender a língua, cultura, costumes e tentar entender como o povo da comunidade vê o evangelho na transformação de suas vidas, na igreja, etc.
Como toda comunidade indígena existe conflito no contato com a “civilização”, falta de recursos, problemas com vícios, dificuldade ao acesso a saúde, educação e sua existência como comunidade indígena. Com a convivência diária dos missionários com o povo podemos ter discernimento dos passos e estrátegias para a melhor desenvolvermos o trabalho de plantação de igrejas entre os Kaxinawá no Brasil sem fazê-los dependentes dos recursos da SGM e dos seus missionários.“O povo Kaxinawá da comunidade Novo Recreio é um povo sedento da palavra de Deus, eles tiveram um contato com a palavra, mas reconhecem a necessidade de conhecê-Lo profundamente, eu vejo em cada um da comunidade a necessidade de cultuar o Deus verdadeiro.”(Missionária Ana Paula Mendonça – em suas palavras no seu segundo dia na comunidade).

Acesso a Comunidade Novo Recreio – O transporte é feito com pequenos barcos subindo o rio Purús. A dificuldade de navegação nesse rio aumenta dependendo das cheias ou seca (condições climáticas). A equipe saiu da cidade mais próxima Manoel Madeira é acessível por uma estrada de terra de Rio Branco no tempo de seca (6 horas de viagem de pick-up). Seguindo a viagem de subida a aldeia levou dois dias e meio de viagem em uma canoa grande com cobertura de lona. A equipe acampou na beira do rio duas noites e se alimentou com peixe e farinha. A precariedade das condições do barco da missão não permitiu o uso nesta viagem, e com certeza o melhor negócio é a venda do barco da missão. Na subida do rio existe muitas comunidades ribeirinhas, Colinas e Kaxinawá. Grande oportunidade de evangelização quando houver a subida da equipe. Uma comunidade a uma hora e meia de distancia da comunidade tem acesso a comunicação por telefone, uma clínica de saúde (bem básica). Quaze todas as aldeias tem um índio treinando como auxiliar de enfermagem.
Na comunidade Novo Recreio havia poucos medicamentos. Saúde - Em geral dos índios tem acesso ao estrutura hospitalar na cidade mais próxima. Educação - Tem uma escola bílingue que alfabetiza os índios (Portugues-Kaxinawá). Local de reunião (igreja) – tem um quarto que está sendo usado como igreja, o Presidente CED, Pr Denilson está ajudando na construção. Quaze todos os dias tem reunião na comunidade.

Interessante na comunidade Novo Recreio foi encontrar um Kaxinawá que estava no prático da Escola De treinamento e Discipulado de JOCUM, e outro que se formou no Instituto Bíblico no Peru. Armando Kaxinawá, um dos líderes da igreja tem características de um mobilizador, evangelista e administrador. Existe grande potencial de líderes para serem treinados para estarem a frente de novas obras. A equipe Purus é atualmente formada pelo casal Ana Paula e José e Missionária Odete que estão na comunidade Novo Recreio. Israel não fazem mais parte da equipe devido a problemas de educação da sua filha Ana Clara, e motivos de saúde da sua esposa. Quando a equipe chegou na comunidade foram bem recebidos, a disposição do chefe da comunidade e das famílias em ajudar na acomodação e alimentação das missionárias foi bem positiva em termo de aceitação. A missionária Ana Paula foi registrada com um nome indígena, Ana Paula (Paran) significa mulher sábia, administradora e responsável. E depois do nome indígena ela foi batizada com um canto típico.

Passos estratégicos (com muita oração):

•permanência da equipe missionária;
•desenvolver um treinamento adequado culturalmente para formação de líderes (campanhas de 7 dias) e depois treinamento de um mês sem retirar os Kaxinawá da área indígena;
•material de discipulado, estudos bíblicos cronologicos, histórias, CDs de música Kaxinawá, etc. (na língua Kaxinawá);
•adquirir a Bíblia (NT) e porção do VT (40% traduzido) com os dirigentes da Assembléia de Deus no Acre;
•facilitar desenvolvimento comunitário como a formação de uma cooperativa, extração de copaíba, ervas medicinais, etc.;
•comunicação com os tradutores da Bíblia Kaxinawá, aprendizagem dos missionários na comunidade da cosmovisão (não somente comportamento) do Kaxinawá que difere com a palavra de Deus e sincretismo. Resgatar partes da cultura para glória de Deus, dança, música, forma de comunicação.